Do Plano à Ação!

Gosto bastante de ler por 3 razões essenciais: porque me distrai, porque aprendo e porque me estimula. Leva-me, essencialmente a refletir, planear, elaborar estratégias, organizar modelos e sistemas pessoais para atingir as minhas metas. Enfim, a me reinventar.


Mas, se me reinventar e isso não tiver qualquer impacto positivo no meus resultados?

Com a internet, a informação está à distância de um clique e se sofre do meu mal, sabe que temos de nos disciplinar, senão não fazemos outra coisa senão ler e ouvir outros, porque são inúmeros os artigos, livros, blogs, podcasts de influencers, mentores, coachers e newsletters interessantes que nos assaltam o email e as contas das redes sociais, estas últimas cada vez mais inteligentes e seletivas, de acordo com os nossos interesses.


Se nao tivermos cuidado vamos querer ler tudo, sonhar com todas as inovações, metodologias e fazemos planos e mais planos e nunca mais passamos à ação.


O último podcast do Adam Contos deste ano que foi a repetição de uma entrevista ao John Cheplak do ano passado toca nessa “ferida” da innovation vs mastery e Cheplak chama a atenção para o perigo dos innovators que se tornam avoiders.


Ele tem uma frase sensacional que diz:

”stop doing the crap that you shouldn’t be doing, because you are distracting yourself from doing what you should be doing”

Traduzindo: “pára de fazer as porcarias que não devias fazer, porque te estás a distrair de fazer o que devias estar a fazer”


Para ele o que distingue um high performer ou top producer é que uma vez que escuta algo, ele o faz imediatamente.

E não o faz apenas uma vez, fá-lo consistentemente.

E por último, é que ele obtém cada resultado.


Assim, segundo Cheplak, os 3 princípios críticos para o novo ano são:

- Ação imediata

- Responsabilidade pessoal e

- Consistência


Se quiser ouvir o podcast clique aqui

🎧 https://share.transistor.fm/s/680ca75a



Quais foram os seu desejos para o Ano Novo? Comprar um carro novo? Deixar de fumar? Perder peso? Ter um filho? Ser promovido? Ganhar mais dinheiro?

Podem ser vários os desejos ou apenas um só.

Seja qual for o seu ou seus desejos, foque-se no que pretende, pois, não basta engolir a passa de uva e ficar à espera que aconteça.

Primeiro que tudo o objetivo tem de ser exequível. Não digo, possível. Porque quase tudo é possível. Muitas vezes somos nós que nos auto-limitamos e por receio, falta de confiança ou procrastinação, boicotamos os nossos próprios resultados.


Considero que devemos ser auspiciosos e ter um objetivo enorme. Contudo, não pode ser tão despropositado ou inatingível que acaba por não ser tido em conta porque, logo à partida, desistimos de lutar por ele. Um truque é dividi-lo em etapas, metas. E como num jogo, vamos ultrapassando nível a nível, etapa a etapa, até ganharmos.


Barragem da Varosa, Viseu Portugal

Imagine que tem de subi uma escadaria interminável. Olha para o topo e desiste logo, achando ser impossível chegar lá acima. Agora pense que não tem de fazer a escalada toda de uma vez só e que pode fazer um patamar de cada vez. Ultrapassou uma meta e festeje e depois outra e festeje, até que um dia está no topo daquilo que considerou impensável.


Temos de lutar pelo que desejamos e, para isso, estabelecer um plano, focarmo-nos e com organização ir ultrapassando as várias etapas (metas) até atingir o objetivo desejado. Seja organizado!


E não desista se a vida de vez em quando o obrigar a descer uns degraus! Se tiver de descer 2, suba 3 ou 4! Seja resiliente!


E, por último, diferencie-se. Destaque-se da concorrência. Inove! Adira às novas tecnologias. Elas podem permitir simplificação ou automação de algumas tarefas, ser um ótimo veículo de mensagem, de conhecimento, de captação de leads, de auxílio ao seu funil de vendas!

Psst!

Nao se esqueça do que escrevi antes, não abuse do planeamento e da busca de conhecimento

Ou seja, passe do plano à ação! Seja produtivo em 2022!


Bom Ano!

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Manoush Zomorodi explica o que acontece se nunca ficarmos entediados. Quando ficamos entediados o nosso cérebro entra num modo chamado “default”. O nosso corpo entra em modo auto-piloto enquanto dobra